Abramides
ABG NEWS


Juros acima da média não indicam, por si sós, abusividade contratual

TJ/PB julgou improcedentes pedidos de cliente que queria revisão de juros.



02/12/2021

Juros acima da média praticada não indicam, por si sós, abusividade contratual capaz de colocar o consumidor em desvantagem. Assim decidiu a 3ª câmara Cível do TJ/PB, ao julgar improcedente ação de consumidor contra o banco por contrato firmado entre eles.

O consumidor ingressou contra o banco com ação de revisão contratual e pedido de repetição de indébito questionando juros . Em 1º grau, o juízo entendeu que a capitalização dos juros foi regularmente pactuada, mas que os juros remuneratórios foram praticados acima da média. Determinou, assim, a limitação dos juros pela taxa média praticada pelo mercado financeiro para aquisição de veículos na época da contratação, no percentual de 24,12%, devendo o banco restituir o cliente. Irresignada, a instituição financeira apelou.

Ao julgar a apelação, o colegiado pontuou que a matéria já foi objeto de súmulas pronunciadas pelo STJ e STF. A súmula 596 do STF dispõe que o decreto 22.626/33 (que dispõe sobre juros em contratos) não se aplica às taxas e outros encargos cobrados nas operações realizadas por instituições que integram o sistema financeiro nacional. Já a súmula 382 do STJ diz que a estipulação de juros superiores a 12%, por si só, não indica abusividade.

No caso julgado, o relator, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, considerou que os juros remuneratórios cobrados não estavam em patamar demasiadamente acima da taxa média de mercado à época.

Ele destacou que, para que seja reconhecida a abusividade, não basta a taxa suplantar a média do mercado. No caso, foram pactuados juros de 2,47% ao mês, e 34,08% ao ano, sendo que no mesmo período a sentença apontou média anual de 24,12%. Considerando que a discrepância representaria menos de 1% ao mês, não vislumbrou sustentada a abusividade da cláusula, capaz de colocar o consumidor em desvantagem exagerada.

"Na hipótese, não se verifica a prática de juros remuneratórios em patamar muito superior à média de mercado praticada à época (discrepância de apenas 9,96% a.a.) e a consequente abusividade da cláusula pactuada, capaz de colocar o consumidor em desvantagem exagerada, nos termos art. 51, §1º do CDC."

Julgou, assim, improcedente o pedido inicial.

O escritório Parada Advogados atua pelo banco.

Processo: 0866463-78.2018.8.15.2001

 

________

 

Fonte:  Migalhas








Encontre uma notícia

Por palavra-chave
Por data da publicação
 


Limpar Enviar
Ao navegar em nosso site você concorda com os termos de nossa política de privacidade disponível no link ao lado.

Bauru   ●   Belo Horizonte   ●   Marília   ●   Presidente Prudente   ●   Recife   ●   Ribeirão Preto   ●   São J. do Rio preto   ●   São J. dos Campos   ●   São Paulo

© Abramides Gonçalves Advogados - Todos os direitos reservados
Projeto Web: Original Design